Visit the new FARNET 2014-2020 website

Como é que os Estados-Membros podem ajudar os GALP a desenvolverem as suas estratégias? Que tipo de reforço de capacidades é necessário?

A preparação das estratégias pelos GALP e os processos implicados no seu desenvolvimento devem ser vistos como uma das contribuições mais importantes do Eixo 4. O seu verdadeiro valor não reside tanto nos aspectos técnicos da estratégia, mas no facto de terem sido discutidos e elaborados mediante uma abordagem ascendente que implicou desde o início todos os intervenientes principais de uma zona.

As estratégias devem ser vistas como muito mais do que uma formalidade para obter um determinado financiamento, sendo antes como que os alicerces de um processo sustentável de desenvolvimento local que vai para além do período de programação, tanto em termos de tempo como de âmbito. Neste sentido, um dos investimentos mais valiosos que o Eixo 4 pode fazer é na formação da comunidade e no reforço da sua capacidade para agir.  

Parece que os Estados-Membros seguem dois tipos fundamentais de processos de reforço de capacidades. Os que possuem uma rede bem estruturada de agentes de desenvolvimento local experientes lançaram frequentemente um convite para apresentação de propostas numa única fase para as zonas, grupos e estratégias. O apoio a esta capacidade já existente é fornecido através de reuniões de informação, campanhas, sítios Internet, manuais explicativos, sessões de formação e apoio de especialistas a nível local. A França constitui um exemplo deste tipo de abordagem .  

Muitos países com menos experiência de estratégias integradas de desenvolvimento local preferiram organizar um processo de selecção em duas fases. Tal implica uma lista de zonas e/ou grupos potenciais que são pré-seleccionados com base num convite à manifestação de interesse relativamente simples. Os grupos seleccionados beneficiam então de um programa de formação, de enquadramento e de apoio de especialistas para os ajudar a criar a parceria e a desenvolver a estratégia. A Estónia constitui um exemplo deste tipo de abordagem.